quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Doce selvagem





Trazes o sol a acompanhar-te o rasto
os tons púrpura e laranja escondem-te o rosto.
O meu coração estremece correndo...
chita na savana imensa.
Chega-me o teu odor, mistura da selva, das crianças,
eivado do perfume que é só teu e se me entranha na pele.
Trazes o sorriso dos angustiados
e o cansaço de não conseguir mais.

Hoje não estive contigo, a mão cerrada na tua.
Mal tive tempo para um beijo fugaz, roçando os lábios.
Mas agora, na noite quente e plena de ruídos sussurrantes,
tu surges como o anjo alado que esperei todo o dia.
Esperaram outras mulheres,
cada coração na prece aprendida ou imaginada.
Caio nos teus braços e o beijo agora é mais profundo,
mais quente que a noite doce e melodiosa.

Comes
conversas
planeias.
Sorris no calor das fogueiras acesas e atiçadas.
Danças comigo até que os corpos ardam de prazer.
Os sons batucados tornam-se vorazes.
Recolhemos ao refúgio só nosso.
Contas em voz cansada mas profunda as lágrimas do dia.
Eu relato-te as minhas.
Banho-te delicadamente por entre suspiros e abraços,
molhando-me a roupa num frenesim que exige mais.

Quando a aurora chegar teremos toda a noite sido UM
almas e corpos fundidos na vida que cala, grita e estremece,
não mais deixando de nos presentear com o milagre



Margarida Piloto Garcia




3 comentários:

PreDatado disse...

Uma verdadeira noite de amor. Muito bonito.

Anónimo disse...

Mais um dos muitos que deverias publicar.Arrastas-me para um idílico romance onde o amor percorre toda a eternidade

Vmnc

Jardim Secreto disse...

Seu blog está lindo, tanto pelo conteúdo, como pelas lindas imagens. Parabéns.
bj
Zezé