quarta-feira, 18 de março de 2009

Perdão






Perdoa-me
se não te soube amar.
Jazias informe e exangue
num cativeiro há muito acomodado.
Abri-te as portas da prisão
e mostrei-te o mundo da magia.
Inventei histórias de encantar
artes de mulher tornada
Xerazade.
Dei-te a vislumbrar o paraíso
e convenci-me duma
felicidade incerta.
Provei da tua boca o mel
das palavras há muito esquecidas.
Desenhei-te na pele
uma marca invisível
que agora te arde e te magoa.
Mostrei-te horizontes de partilhas
em vastos areais.

Nos mistérios desenhados num ecrã,
a matéria explodia louca,
inusitada
pinturas luxuriantes em paleta de mestre.
Transformei desastres
em façanhas,
brinquei de faz de conta para te ver sorrir.

Algures lá fora a vida
continuava cruel como costuma ser,
alheia aos devaneios de um romance.

Perdoa-me se não te soube amar
se te calei a voz
se te cortei as asas
se fiz da tua vida algo vazia
o tormento de um coração cheio.
Desculpa-me
as migalhas preciosas
com que teimo afagar-te
e dar-te alento.
Mas há coisas que a minha
alma rejeita,
grilhetas que eu não ouso
ora quebrar
ora trocar por novas.
Quero ser livre
como o pensamento
e expurgar de mim
todas as dores.

Perdoa-me
se não te soube amar
mas o meu coração
é apenas uma bola de cristal
que eu não sei desvendar.



Margarida Piloto Garcia


tela de Francis Picabia



4 comentários:

Anónimo disse...

Poema intensamente vivido e sentido.Deixas nele um doce aroma de felicidade e um misto de ternura e tristeza.Para mim do melhor que tens escrito Obrigado por esta maravilha

vmnc

Jardim Secreto disse...

Margarida,
Minha amiga Elaine me incluiu na promoção da jóia, e estou passando a tarefa para você. Por favor, leia a postagem "selos e jóias" no meu blog, onde tudo se explica.
bj
Zezé

PreDatado disse...

No dia mundial da poesia não podia deixar de vir aqui ler a sua última poesia publicada no blog que, como outras, é muito bonita.

Maria Mourão disse...

lindo...lindo de uma intensidade muito grande
beijo
Fatinha