quarta-feira, 28 de maio de 2014

Perguntas





Posso dar-te a mão neste desejo quente
neste vórtice que me suga sem pedir licença?
Deixas que o meu corpo, tornado
ogiva rubra de que és arquitecto,
envie às estrelas a nave do meu grito?
Posso pedir-te que me ames
só com a ponta dos dedos
a deslumbrar a génese de tudo em nós?
Assim, longe mas tão perto
no movimento secreto, escondido,
desordeiro e a engasgar-se de paixão.
Assim, febril , num choro de grossa lágrima
a ferver nos olhos e a rebentar
palavras delirantes e ciciadas na boca ávida.
Posso abraçar-te despida de mágoas
liberta do arame farpado nascido nas entranhas
na carícia do gesto redondo e denso?
Posso dizer-te baixinho as palavras
que já gritei debaixo de um tecto sem lua?
Podes dizer que me amas?


Margarida Piloto Garcia


quarta-feira, 14 de maio de 2014

O apelo







-Acorda Maria, acorda por favor !
Soergue o ventre como um sol pleno e alonga as pernas de algas assombradas na berma do rio. A neblina esvai-se das águas sussurrantes e aprisiona-lhe a mente num torpor letárgico. Já não tem sorrisos para lançar ao vento. Só mãos pálidas com que tece prantos . Sente os seios de lua cheia, grávidos de esperanças e do próximo leite. Mas não quer pensar e cerra os olhos.
- Maria não desistas, estou à  tua espera.  Quero ver os teus olhos e sentir o teu colo.
De novo se levanta num incómodo liquefeito. Ajeita ao corpo o vestido sujo onde o bordado inglês já tem a cor dos dias desfeitos. Vem-lhe à memória a menina ladina na varanda ao sol.
 Lá longe o rio junta-se ao céu e os cheiros entram-lhe pela boca e pelas narinas em golfadas ardentes. Canta debruçada por entre as flores garridas e o cabelo baloiça-lhe nas costas, acetinado e fragante. Quantos segredos por desvendar, quantas caravelas soltas no mar da imaginação!
Ergueu-se um frio gélido que se insinua na pele arrepiada. Sabe-lhe bem. A frialdade  é bem vinda para lhe sossegar o corpo quente e dorido . Respira devagarinho como se exalasse pouco a pouco os últimos suspiros e precisasse de os soltar em câmara lenta. Agarrada aos cabelos emaranhados está a derradeira esperança. Mais vale afugentá-la, fazê-la correr sem retorno. O-s-t-r-a-c-i-s-m-o é o destino da esperança e o seu.
- Maria porque não me ouves? A hora vai chegar e tu a negares a vida. Porquê Maria?
Não suporta aquela vozinha irritante a brocar-lhe a cabeça num ritmo insidioso. Quer muito que se cale mas os sons apertam-na e comem-na por dentro com dentes afiados.
 A pouco e pouco foram-se transformando numa dor palpitante e espasmódica que a faz tentar de novo adormecer no esquecimento.
Suavemente desliza num sonho feliz. Sabe-lhe a boca aos pastéis que o pai lhe comprava todos os domingos. O aroma a canela faz-lhe cócegas e adoça-lhe o palato e a mente. Como eram felizes esses passeios! Dançava orgulhos no corpo juvenil numa pressa esfaimada de viver. As expectativas eram como uma erupção de mil sóis. Mal sabia ela que não passava de uma estrela cadente.
Sente que a dor se agudiza e lhe crava punhais ao longo das costas. O rio já está tão perto que quase lhe pode tocar. Estende a mão na busca do murmúrio das primeiras ondas leves e pequenas a  beijarem-lhe os pés.
- Não Maria, escuta-me! Não me ouves chamar-te? Sem ti não existo e eu quero sentir o sol e ver o reflexo da lua nos teus olhos. Estou há tanto tempo  à espera de te ver, de sentir o teu afago.
A voz é um punhal a desenhar-lhe arabescos retorcidos e fundos ao longo de cada nervo.
Queria tanto ter um filho! Fez tantos planos! Foi mulher, foi asa, foi combate e garra e sonho vadio. E depois...depois derrubaram-na, partiram-na em tantos pedaços que agora  precisa diluir-se e evitar que mais alguém seja infeliz.
Não se consegue levantar. As dores pregaram-na na margem fria e  escura. Nem sente que enregela naquele dia de Dezembro. A carne adquiriu uma dureza marmórea que lhe alivia o sofrimento e lhe entorpece cada vez mais a mente.
Como era delicioso aquele mês em casa dos avós! Ela mal dormia expectante pela visão da árvore engalanada e do presépio que crescia a cada ano.
Afinal era isso a felicidade e só agora o percebia.
 Como era bom o frio de Dezembro quando se abrigava na cama quente!
Tem a pele cheia das memórias sussurrantes a deslizarem rasteiras e a infiltrarem-se no sangue. Todas doces, mesmo as que trazem alfinetes a picarem-lhe os olhos lacrimejantes.
O rio tem um cheiro pungente e pesado. Sente-o envolvendo-a num abraço sufocante e poderoso. Acha que sabe a lodo e a todos os que nele escolheram habitar para sempre.
Não é assim que o recorda. Antes, quando era feliz, o rio tinha cores a correrem ao encontro dela e suspiros de sereia a acariciarem-lhe cada curva do corpo.
Gostava de o atravessar no barco que a levava de uma margem a outra. Mesmo no meio de tantos passageiros estava sempre sozinha. O vento soprava-lhe na face beijos impolutos e fazia-lhe os cabelos dançar em feéricas voltas.
A dor voltou e é preciso avançar um pouco mais. A água sobe-lhe pelas pernas como as mãos de um sôfrego amante.
- Maria já não consigo gritar mais. Tenho frio, tenho medo. Medo de nunca sentir o teu beijo e ver o teu sorriso.
- Mãe, mãe, por favor não me deixes morrer.
Como é assustadora aquela voz dentro dela! Quase a faz recuar nos seus propósitos. Rói-lhe por dentro aquele apelo lancinante e voraz.
Avança mais no rio, a água a lamber-lhe a barriga alva mal coberta pelo bordado inglês a desfazer-se.
E de repente, braços resgatam-na, roubam-na ao amante eterno, gritam-lhe juntamente com a voz. Debate-se com as poucas forças que lhe restam mas é inútil. Mal se apercebe que a deitam na margem e a envolvem em algo quente. Agora sente todas as dores a atravessarem-na como se ela não passasse  de um atalho para chegar a um destino.
 Na confusão gerada não dá conta  da chegada da ambulância , nem das mãos que a tocam.
As vozes riem e choram numa histeria que lhe soa caótica. E subitamente o relógio da praça antiga, ecoa 12 badaladas pesadas mas gloriosas, ao mesmo tempo que a voz se cala dentro dela mas  grita agora nos seus braços.
Sente algo antigo a invadir-lhe o corpo e a criar gavinhas .
Olha o pequeno ser que tem no colo e toda ela é júbilo e felicidade.
- Já viu bem? - diz-lhe alguém. É um menino e nasceu à meia noite do dia 24 de Dezembro. Ganhou um pequeno Jesus.
Maria sorri levemente como se também ela tivesse acabado de nascer e a vida fosse agora virgem de suplícios.


Margarida Piloto Garcia in- LUGARES E PALAVRAS DE NATAL-publicado por LUGAR DA PALAVRA EDITORA-2013



segunda-feira, 5 de maio de 2014

De longe







E Abril passou
E outros virão aqui onde estou
de esperanças feito
O frio aperta na mente que sonha
e a fome alerta sem voo nem asas
Daqui faço planos
mas os desenganos escrevem-se a cru
Na luta sem tréguas
não mais vejo as águas do meu oceano
nem as azinheiras torradas de sol
Daqui a lonjura é corda que enforca
é faca que corta e caudal que alaga
e sobe à garganta
No país amado deixei só a alma
que o corpo faz falta pra ganhar o pão
Abril já partiu
e os medos que envergo não guardo
nem quero
mas expulso e enterro
em estrangeiro chão.


Margarida Piloto Garcia