segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Horas






9 da manhã.
Medo na garganta, fogo na pele, olhar impúdico.
Apressa o passo, atiça o fogo, a língua a arder, a boca aos ais

10 da manhã.
A mão na perna, a urgência nos olhos, o calor dele, a fome dela.
Corpos que chocam, beijos vorazes comem por dentro
lambem por fora, desnudam prazeres.
Derrete as mãos no cabelo dele, esculpe-o a cinzel, procura-lhe a vida.
No aperto dele, quase um temor, uma reverência.
Despe-a e encontra-a.
Rasga a fronteira, estala o pudor, vai-se mais fundo.
Solta o gemido, dança-o nas pernas, sorve-lhe o âmago
abre-se nele.

12 horas e o sol empina no horizonte.
Cavalgam ondas na cama anónima
e a tarde  lúbrica estende-os no  chão.
Música toca, velas acendem, lençóis engelham no calor do cio.
Palavras loucas rugem na tarde novos caminhos e desafios.
Ternos abraços, corpos de aço, laços e passos.
As horas escorrem suor e seiva, o grito é língua entre os cicios.
Morre mil vezes, parte-se em duas, faz parte dele.
Olhos de deusa, mítico oculto, fera voraz.
Há arremessos na tarde cálida, galopes ébrios , ventres a arder.

E chega a hora e a fome fica, rasga o abraço, parte o enlace
e mora a saudade no último beijo



Margarida Piloto Garcia-in A ESSÊNCIA DOS SENTIDOS I-publicado por EDIÇÕES PAULA OZ-2013

Sem comentários: