sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Boneca partida



Definitivamente há que pedir desculpa aos que acreditaram e investiram. Não que o seu ser seja feito de enganos, apenas de medos .Esse medo escuro que não tem cura, o fruto de uma pressão de que não sabe o início. Esse medo trava-lhe os passos, joga-a no chão, impede-lhe o sentir. E dentro tudo galopa furiosamente, devorando. Não pode mais calar que há que pedir desculpa aos que sonharam. Que mais fazer? Não sabe se algo se partiu no mecanismo original, talvez um defeito de fabrico que a impede de dizer...Quero! Querer ela até quer e até diz. Mas os passos a dar não são possíveis para a sua quadriplégica alma. Algo falhou, algo lhe corroeu o ânimo, a força. O monstro aterrador que sempre lhe assombrou as noites afinal existia. Não vale a pena esconder mais. Há que deitar a cabeça no cepo para que o carrasco a cale de uma só vez, sem delongas, sem demoras. No meio da dor intensa não vai dar por nada.

Margarida Piloto Garcia


Foto de Yvone Gort



5 comentários:

mfc disse...

A vida é bonita e precisa ser vivida, mesmo quando tudo desaba.
Um lindo texto amargurado... mas lindo!

Susana Garcia disse...

Ficção um pouco triste,mas bem escrita esta prosa,lembra-me talvez a história para crianças da bela e o monstro,não sei acho que tem semelhanças.

Sofá Amarelo disse...

Há sempre uma boneca partida dentro de nós... é um desafio reconstruí-la...

Muitos beijinhos. Bom fim-de-semana!!!!

Luma disse...

Vencer o inimigo, o desconhecido para que mesmo em meio a dor, vença os medos! Boa semana! Beijus

vitor correia disse...

Tinha passado este sem comentar.Desculpa.è triste a boneca qu descreves ,mas o texto está sobermamente bem estruturado.Próprio de ti